Utilize as demonstrações contábeis em prol da sua empresa!

demonstrações contábeis

A contabilidade é uma obrigação de todas as empresas — com exceção do Microempreendedor Individual (MEI). Muita gente torce o nariz para a necessidade de emitir demonstrações contábeis, pagar impostos e cumprir com outras obrigações. Tudo isso é encarado como mera burocracia por alguns, mas, na prática, não é bem assim.

Ao manter a sua contabilidade em dia, além de evitar multas e outras penalidades, você reúne muitas informações importantes para o seu negócio. Isso vai ajudar tanto na manutenção da saúde financeira da empresa como na tomada de decisões.

E vamos combinar que não é porque a contabilidade envolve contas e tributos que ela precisa ser chata, não é? Aqui na Agilize, nós somos apaixonados por contabilidade e queremos mostrar para você que ela, além de importante, também pode ser muito útil para o crescimento do seu negócio.

Neste post, vamos falar especialmente sobre as demonstrações contábeis, que são relatórios que devem ser emitidos pela empresa. Além de entender melhor o conceito, você vai conhecer cada uma das demonstrações contábeis e saber mais sobre cada uma delas. 

Boa leitura!

  1. Saiba o que são as demonstrações contábeis
  2. Entenda a importância das demonstrações contábeis
  3. Veja alguns exemplos de demonstrações contábeis
  4. Descubra para quem as demonstrações contábeis são feitas
  5. Conheça as principais demonstrações contábeis e para que servem
  6. Ficou com dúvida? Veja alguns conceitos que podem te ajudar a entender melhor as demonstrações contábeis

O que são demonstrações contábeis?

Demonstrações contábeis são relatórios de desempenho que indicam a performance financeira e econômica de uma empresa. O objetivo das demonstrações contábeis é representar o fluxo financeiro da empresa em um determinado período, mostrando as informações do negócio com transparência para todos os sócios e acionistas.

De forma resumida, as demonstrações contábeis expõem os resultados da empresa em um certo período, como faturamento, lucro bruto e líquido, despesas e investimentos feitos.

Segundo a Lei 6404/76, a divulgação de demonstrativos contábeis é uma obrigação de todas as empresas de sociedade por ações. 

Para cumprir com essas obrigações, você deve contar com o apoio de um contador. Somente esse profissional pode garantir que todo o processo seja feito de forma adequada, além de conhecer os detalhes e obrigatoriedades de cada um dos documentos. Esses critérios estão estabelecidos na lei que já citamos acima, que também indica quais são as demonstrações que deverão ser elaboradas por cada tipo de empresa.

A contabilidade online também faz demonstrações contábeis?

Sim, a contabilidade online, além de ajudar você com todas as demais obrigações, também atua na elaboração de demonstração contábil. 

A Agilize é um escritório de contabilidade tradicional, assim como qualquer um que você pode visitar presencialmente e se reunir com o contador. A única diferença é que todos os nossos serviços são online, ou seja, você pode contratar e usufruir de todos os benefícios sem sair de casa.

Por trás das telas, temos contadores experientes e especialistas em cada assunto, que formam um time completo e preparado para ajudar você em cada necessidade.

Entenda a importância das demonstrações contábeis

A principal vantagem das demonstrações contábeis é que elas oferecem à gestão da empresa um panorama fiel e muito completo sobre a real situação financeira do negócio. E, com isso, é possível usufruir de muitos outros benefícios, que confirmam a importância da emissão desses documentos.

Decisões mais acertadas: mais poder e estratégia em suas mãos

Uma gestão orientada por dados tem muito mais chances de tomar decisões acertadas. O que você acha mais confiável, uma decisão tomada com base em informações reais ou em suposições?

Os demonstrativos contábeis são uma fonte muito confiável de informações sobre o negócio, que podem ser usadas para a tomada de decisões não só na área financeira da empresa, como em todas as outras. Afinal, cada setor tem a sua verba e a definição do teto de gastos deve ser feita com conhecimento sobre a realidade financeira do negócio como um todo.

Compras, investimentos em divulgação, treinamento de equipes, lançamento de produtos e até aberturas de novas filiais — tudo isso depende diretamente de decisões tomadas com base nas informações trazidas pelas demonstrações contábeis.

Ajuda na obtenção de créditos

Caso a empresa precise de crédito para novos investimentos, ter as demonstrações contábeis emitidas é fundamental. Isso acontece, principalmente, por dois motivos. O primeiro é que esses documentos comprovam que a empresa atua dentro da lei e cumpre com as suas obrigações fiscais.

O segundo é a comprovação de renda. Dificilmente uma instituição financeira concede crédito sem se certificar de que a pessoa ou empresa que está fazendo a solicitação pode arcar com as parcelas do pagamento. Para isso, as instituições analisam justamente essas demonstrações, que funcionam como comprovantes de renda e da saúde financeira do negócio.

Atração de investidores

Para as empresas de capital aberto, as demonstrações contábeis são importantes também para atrair investidores. Você concorda que ninguém quer investir em empresas que não são confiáveis ou que são financeiramente instáveis?

O objetivo das demonstrações nesse caso é passar confiança para os investidores por meio da comprovação da estabilidade financeira. Elas também indicam a capacidade de uma empresa de entregar resultados positivos e ajudam os investidores a terem maior previsibilidade sobre os lucros.

Prevenção de problemas e identificação de oportunidades

A análise das informações disponibilizadas pelas demonstrações contábeis funcionam como uma mensuração de resultados. E você sabe como isso é importante em qualquer tipo de negócio, não é? É essa prática que permite que a gestão identifique pontos fortes e aqueles que precisam ser melhorados.

Além disso, a análise detalhada desses números permite uma previsibilidade dos ganhos futuros. Assim, a equipe pode antecipar possíveis problemas e se preparar precocemente para tomar atitudes caso eles venham a aparecer.

O contrário também acontece — em vez de problemas, o time pode antecipar oportunidades de crescimento e investimento e planejar as melhores ações com antecedência.

Preparação para o Imposto de Renda

O Imposto de Renda da Pessoa Jurídica é uma obrigação das empresas e deve ser declarado anualmente. Na declaração, os empresários devem disponibilizar para a Receita Federal todas as informações sobre a empresa, incluindo faturamento, gastos e aquisições de bens. 

Quando as demonstrações contábeis são geradas regularmente e estão atualizadas, a organização dos dados para a entrega do Imposto de Renda fica muito mais fácil. Afinal, nelas constam todas as informações que o empresário precisa colocar em sua declaração. Na hora de fazer o IRPJ, é só consultar os documentos!

Redução de erros

Analisando as demonstrações contábeis, o gestor da empresa também pode identificar possíveis erros, transações que podem ser vistas como ilegais e até algumas fraudes que poderiam trazer muita dor de cabeça no futuro.

Quando são descobertos precocemente, esses problemas podem ser ajustados em tempo, garantindo que todos os futuros trâmites sejam executados conforme a lei.

Como você sabe, esse tipo de irregularidade pode acarretar em grandes multas e até mesmo em punições que inviabilizam o funcionamento da empresa.

Garantia de que o negócio é confiável

Ao longo da vida de uma empresa, o gestor deverá comprovar a confiabilidade do negócio em diversas situações. Algumas delas nós já citamos aqui, como a obtenção de linhas de crédito e atração de investidores. Um outro exemplo é na venda do negócio e até mesmo em participações em licitações públicas.

Uma das melhores maneiras de comprovar a estabilidade e confiabilidade de uma empresa é por meio das demonstrações contábeis!

Exemplos de demonstrações contábeis: um breve apanhado para você!

Agora que você já sabe o que é demonstração contábil e conhece a importância de cada um desses documentos, deve estar tentando se lembrar de algum exemplo desses documentos, não é mesmo? 

Nós vamos ajudar! Listamos abaixo as principais demonstrações contábeis e trazemos uma breve explicação sobre cada uma delas para que você entenda de uma vez do que se trata. E não se preocupe! Mais adiante, ainda neste post, vamos trazer detalhes sobre cada uma delas!

São exemplos de demonstrações contábeis:

  • Balanço Patrimonial: demonstra a situação dos bens, direitos e obrigações da empresa em uma determinada data;
  • Demonstração do Resultado do Exercício (DRE): uma das demonstrações mais importantes, a DRE indica as receitas, despesas e lucro (ou prejuízo) da empresa em determinado período;
  • Demonstração do Resultado Abrangente (DRA): mostra outros resultados da empresa, mas que foram contabilizados no Patrimônio Líquido;
  • Demonstração dos Lucros e Prejuízos Acumulados (DLPA): traz as movimentações e destinação dos lucros e prejuízos em determinado período;
  • Demonstração das Mutações do patrimônio Líquido (DMPL): como o nome indica, demonstra as movimentações ocorridas no Patrimônio Líquidos da empresa em um determinado período;
  • Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC): traz as entradas e saídas de recursos do caixa da empresa em determinado período;
  • Demonstração do Valor Adicionado (DVA): indica a geração e distribuição de riqueza nos processos da empresa;
  • Notas Explicativas (NE): relatório com detalhes sobre as composições das contas da empresa e os critérios adotados na preparação das demonstrações contábeis de forma geral.

Para quem as demonstrações contábeis são feitas?

As demonstrações contábeis são importantes para que a gestão da empresa conheça melhor a sua saúde financeira, tome decisões com base em dados e comprove a sua confiabilidade e estabilidade financeira. Mas, além de servirem para orientar a gestão, elas também são obrigações da empresa, certo? Então, para quem essas demonstrações são feitas?

Você já deve ter percebido que esses documentos são importantes tanto internamente como externamente, não é? E é exatamente isso que acontece. Segundo as Normas Brasileiras de Contabilidade, (NBC), elas são preparadas e apresentadas para usuários externos. Mas, na prática, também são entregues a usuários internos, que podem extrair informações importantes desses documentos.

Confira a diferença entre cada um deles!

Usuários internos

Os usuários internos são aqueles que trabalham dentro da empresa ou se relacionam de certa forma com a rotina contábil do negócio. Esses usuários utilizam as demonstrações para validar resultados, medir a saúde financeira e tomar decisões estratégicas para a organização.

Alguns exemplos são os administradores, sócios, acionistas, investidores, auditores internos e os contadores.

Usuários externos

Os usuários externos são as instituições que exigem as demonstrações para fins de fiscalização e outros motivos variados. Alguns exemplos são o governo, bancos, fornecedores e acionistas em potencial.

Principais demonstrações contábeis e para que servem na prática

Chegou a hora de você conhecer individualmente as principais demonstrações contábeis do país. A seguir, vamos trazer informações sobre cada uma delas, mostrando para que servem e indicando se são mesmo obrigatórias. Acompanhe!

Balanço Patrimonial

O Balanço Patrimonial (BP) é um dos principais demonstrativos contábeis da empresa. Ele é um relatório que indica de forma precisa a situação financeira do negócio.

A elaboração do documento, também chamado de Balanço Contábil, é a melhor forma de fazer um levantamento completo sobre todos os bens da empresa, assim como suas fontes de renda e investimentos.

Geralmente, o Balanço Patrimonial é feito anualmente. No entanto, não há nenhum impedimento para que ele seja elaborado com maior frequência, caso essa seja a escolha da administração da empresa. Como ele é um documento que traz um panorama sobre a situação financeira da empresa, pode ser interessante elaborá-lo mais vezes.

Para que serve?

Por trazer para os gestores da empresa uma visão ampla sobre a sua situação financeira, o BP pode ser usado para muitas coisas:

  • tomar decisões financeiras mais acertadas;
  • apresentar dados sobre o negócio para possíveis investidores;
  • entender o comportamento financeiro da empresa;
  • servir como base no planejamento tributário;
  • servir como base no planejamento estratégico.

O Balanço Patrimonial é obrigatório?

Sim! De acordo com a lei,  esse documento deve ser elaborado ao final de cada exercício social, junto com uma série de outros demonstrativos financeiros. O Balanço Patrimonial, portanto, é uma das obrigações fiscais do empreendedor.

Como montar o Balanço Patrimonial?

Para elaborar o relatório, você deve reunir todos os ativos e passivos contábeis da sua empresa. Os ativos são todos os bens, direitos e recursos, enquanto os passivos são as despesas, obrigações e dívidas.

Depois, você deve fazer a conciliação de todos os saldos contábeis, comparando com documentos como extratos bancários, por exemplo. O próximo passo é fazer os cálculos, que vão ajudar a entender se o negócio teve lucro ou prejuízo no período analisado. 

A construção do BP não é um processo simples, por isso, o ideal é contar com a ajuda de um contador em todas as etapas.

DRE – Demonstração do Resultado do Exercício

A DRE é um relatório que traz, de forma resumida, todas as operações realizadas pela empresa em um determinado período de tempo – geralmente, o documento se refere ao último ano de exercício.

Na DRE constam todas as receitas,despesas, investimentos e provisões, com o objetivo de evidenciar a formação do resultado líquido da empresa no período analisado.

A DRE deve ser elaborada uma vez por ano, junto com o Balanço Patrimonial. Mas, se a gestão da empresa quiser, pode elaborar o documento trimestralmente, para fins de monitoramento interno. 

Para que serve?

A DRE foi criada com uma forma de mostrar ao governo de onde vem o lucro da empresa. Mas o documento, como falamos, também pode ser usado para fins gerenciais. Nesse caso, ele traz muitos benefícios para quem o analisa.

Com a DRE, a gestão da empresa consegue ter uma visão geral sobre a saúde financeira do negócio e usar as informações que ali constam para tomar decisões com base em dados. A DRE também pode servir como base para os planejamentos financeiro e estratégico, ajudando o time a traçar planos para reduzir gastos e aumentar o faturamento.

A DRE é obrigatória?

A DRE é obrigatória para todas as empresas, com exceção de MEI, e deve ser feita anualmente, após o encerramento do ano-calendário.

Também é obrigatório que a DRE seja assinada por um contador habilitado pelo Conselho Regional de Contabilidade (CRC). Por isso, a contratação desse profissional é essencial para o cumprimento dessa obrigação fiscal.

Balancete

Também chamado de balancete de verificação, o balancete contábil é um relatório que abrange todas as informações das contas da empresa em um determinado momento. O objetivo dessa demonstração é verificar os saldos das contas e conferir se a soma dos saldos devedores é menor que a soma dos saldos credores.

O balancete é um instrumento de controle interno e pode ser elaborado em diferentes frequência – mensal, quinzenal ou até diariamente, a depender da necessidade de controle da administração da empresa.

Para que serve?

Assim como as demais demonstrações contábeis já apresentadas, o balancete serve para ajudar o time a analisar o estado financeiro da empresa. A principal diferença é que ele geralmente é usado para avaliar a situação em um determinado momento, e não em relação a longos períodos, como acontece com o Balanço Patrimonial e a DRE, por exemplo.

O balancete é obrigatório?

Como falamos, o balancete é um demonstrativo voltado para o controle interno. Ou seja, a sua emissão não é obrigatória e ele não precisa ser apresentado para nenhum órgão fiscalizador.

Apesar disso, é indicado que as equipes de gestão façam uso desse demonstrativo, pois ele permite prevenir possíveis erros de crédito e débito nas contas da empresa. 

DRA – Demonstração do Resultado Abrangente

A DRA é a demonstração contábil que indica alterações no patrimônio líquido de uma sociedade durante um determinado período. Essas alterações podem ser recorrentes de transações ou outros eventos não originados nos sócios.

Para que serve?

O objetivo da DRA é abordar alguns pontos que não fazem parte da DRE. Isso acontece porque a DRA é a soma do resultado líquido constante na DRE com outros resultados abrangentes.

Outra característica da DRA é que ela é destinada a usuários externos dos dados. Ou seja, é feita para que acionistas e outros investidores possam conhecer melhor a situação financeira da empresa.

O que precisa constar na DRA?

Toda DRA precisa conter os seguintes itens:

  • resultados líquidos do período analisado;
  • especificação de cada um dos itens dos resultados abrangentes;
  • equivalência patrimonial de outros resultados abrangentes;
  • resultado abrangente total.

Dentro do resultado abrangente total estão dados como o ajuste de avaliação patrimonial, ganhos e perdas atuariais em planos de pensão, entre outros.

A DRA é obrigatória?

Mesmo não sendo prevista na Lei 6404/76, a DRA é obrigatória segundo a Resolução CFC n 1.185/09 e o CPC 26.

DFC – Demonstração de Fluxo de Caixa

A DFC é um relatório contábil que tem o objetivo de mostrar as entradas e saídas de recursos do caixa de uma empresa em um determinado período, além de indicar quais foram os resultados desse fluxo.

As informações para a elaboração da DFC podem ser retiradas do Balanço Patrimonial e da DRE.

Nessa demonstração, as atividades do fluxo de caixa ficam divididas em três:

  • atividades operacionais: envolvem as receitas e gastos relacionados à produção e entrega de bens e serviços da empresa;
  • atividades de investimento: são relacionadas ao aumento e diminuição de ativos não circulantes que a empresa utiliza para a produção de bens e serviços, compra ou venda de equipamentos, imóveis e participações em outras empresas;
  • atividades de financiamento: aqui entram os empréstimos e financiamentos de credores e investidores.

Para que serve?

A DFC ajuda a administração da empresa a analisar a capacidade de gerar caixa em um determinado período, por meio das entradas e saídas em dinheiro.

Com isso, também é possível identificar os períodos de maior dificuldade financeira e escassez de recursos. Isso permite a tomada de decisões antecipadas no sentido de planejar ações que evitem a piora do quadro.

A DFC é obrigatória?

A DFC é obrigatória para diversos tipos de empresas, incluindo as sociedades de capital aberto ou com patrimônio líquido superior a R$ 2 milhões – para essas, a obrigatoriedade passou a valer com a Lei nº 11.638/2007. Para as pequenas e médias empresas, a obrigatoriedade foi determinada pela NBC TG 1000.

A DFC deve ser apresentada pelo menos uma vez por ano, junto às outras demonstrações contábeis obrigatórias.

DVA – Demonstração do Valor Adicionado

A DVA é uma demonstração contábil que tem o objetivo de evidenciar a riqueza que foi gerada por uma empresa em um determinado período. Além disso, a DVA também demonstra como essa riqueza foi distribuída entre os diversos setores envolvidos no processo – fornecedores, financiadores, sociedade empresária, entre outros.

Pela lógica do mercado, todos os produtos ou serviços oferecidos por uma empresa valem mais do que a soma dos insumos ou fatores utilizados na sua produção, certo? Esse valor adicionado é o que gera o lucro da empresa e representa a riqueza gerada pelo negócio.

Em resumo, a DVA mostra quanta riqueza foi adicionada à empresa.

Para que serve? 

A DVA é usada para evidenciar como uma determinada empresa contribui para o Produto Interno Bruto (PIB) do país. Além disso, ela pode ser usada para fins gerenciais, ajudando os gestores a medirem a eficiência da empresa na transformação de recursos.

A análise desse demonstrativo contábil também serve de base para comparações de evolução da remuneração, dos valores destinados aos trabalhadores, entre outras coisas.

Assim como outras demonstrações, a DVA ajuda ainda no entendimento sobre a saúde financeira da empresa.

A DVA é obrigatória?

Segundo a lei nº 11.638/2007, a DVA é uma obrigação de todas as empresas de capital aberto. Todas as empresas que negociam ações na Bolsa de Valores devem elaborar esse demonstrativo anualmente, junto com os demais relatórios exigidos.

No entanto, algumas outras empresas, mesmo que não sejam obrigadas, optam por elaborar essa demonstração. Afinal, como já falamos, ela ajuda a administração a entender melhor a eficiência do negócio e a tomar decisões com base em dados.

DLPA – Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados

A DLPA é um relatório que indica quais mudanças ocorreram no patrimônio líquido de uma empresa em um determinado período de tempo. No documento constam detalhes e variáveis que influenciaram a alteração entre os saldos inicial e final. Essas mudanças podem ser o aumento da margem de lucro ou do prejuízo, como indica o nome da demonstração contábil.

Os dados da DLPA são referentes a ações de reinvestimento do capital ou lucro líquido da empresa, a partir da integração com duas outras demonstrações sobre as quais já falamos aqui – o Balanço Patrimonial e a DRE.

Assim, analisando o documento, é possível entender a real situação patrimonial da empresa.

Para que serve?

Assim como as demais demonstrações contábeis, a DLPA ajuda a administração da empresa a ter uma visão realista sobre o negócio para tomar decisões com base em dados. 

Isso ajuda no planejamento estratégico e financeiro da organização, principalmente em relação a investimentos, expansão, compra de novos equipamentos e contratação de colaboradores.

Outro objetivo da DLPA é mostrar como aconteceu a movimentação do lucro na empresa, indicando se ele foi distribuído ou reinvestido.

A DLPA é obrigatória?

Essa demonstração contábil é obrigatória para as Sociedades Limitadas (LTDA) e outros tipos de empresas que funcionam no regime de Lucro Real.

DMPL – Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

DMPL é um documento que evidencia as alterações no patrimônio líquido de uma empresa. Ela registra de onde vêm os recursos da organização e para onde eles vão, ou seja, como são distribuídos.

Assim como a DFC, ela é uma demonstração de movimentação financeira, mas há uma diferença entre as duas. A DFC traz as entradas e saídas do caixa da empresa em um determinado período, além dos resultados dessas movimentações.

Já a DMLP serve como complemento ao Balanço Patrimonial e demonstra as condições em que o patrimônio se encontra no período.

A DMPL é um documento aberto e deve estar disponível para qualquer investidor.

Para que serve?

A principal utilidade da DMPL é mostrar à administração as variações de reserva da empresa de forma detalhada. Ela é estruturada em forma de tabela, o que facilita o entendimento.

Assim, os gestores podem saber como a  empresa destinou os seus lucros.

Qual a diferença entre DLPA e DMPL?

As definições de ambas as demonstrações são parecidas. Mas, na prática, a DLPA é uma parte da DMPL, na qual aparecem lucros ou perdas acumulados. 

A DMPL é obrigatória?

A DMPL não é obrigatória por lei, mas a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) exige que empresas de capital aberto elaborem e publiquem o documento.

O que são as Notas Explicativas? Entenda, pois é crucial!

As notas explicativas são informações adicionais que têm o objetivo de detalhar determinadas situações que não foram abordadas nas demonstrações contábeis emitidas por uma empresa. Elas ainda esclarecem as demonstrações e apresentam as práticas e critérios usados na construção desses documentos. 

Na prática, as notas explicativas podem oferecer esclarecimentos sobre qualquer uma das demonstrações.

A linguagem das notas explicativas deve ser simples e acessível. Nelas, constam informações como os critérios de avaliação, investimentos em outras sociedades, taxas de juros, ajustes de exercícios anteriores, entre outras.

As notas explicativas são obrigatórias?

As notas explicativas são obrigatórias apenas para Sociedades Anônimas (SA).

Conceitos que podem te ajudar no entendimento das demonstrações contábeis

Lendo este post até aqui, você pode ter ficado com dúvida sobre alguns termos contábeis. Afinal, quando estamos explicando conceitos, é comum usarmos algumas palavras que são muito específicas dessa área.

Nós não queremos que você deixe de entender sobre as demonstrações contábeis porque não conhece o significado de algum termo. Por isso, preparamos um pequeno glossário com alguns dos principais termos usados na contabilidade!

Livros contábeis

Os livros contábeis são documentos nos quais são registradas as operações realizadas por uma empresa. Por meio desse registro, a administração pode entender como está o seu funcionamento e ter um panorama detalhado sobre custos, investimentos e lucros.

Manter os livros contábeis em dia ajuda a gestão da empresa a ter um controle mais detalhado sobre as finanças, diminui os riscos de multas pelo Fisco e melhora a tomada de decisões.

Existem diferentes tipos de livros contábeis. Os principais são o Livro Diário, o Livro Razão e o Livro Caixa.

Patrimônio líquido

O patrimônio líquido é um dos conceitos mais relevantes do Balanço Patrimonial. Ele é referente às contas que apontam o valor contábil de um negócio, considerando o capital social, os lucros acumulados e o fluxo de caixa, entre outros.

Em resumo, o patrimônio líquido é a diferença entre os valores dos ativos e passivos da empresa. Vamos falar sobre esses conceitos a seguir!

Ativo

Os ativos contábeis são os bens e direitos que uma empresa possui e que podem ser convertidos em dinheiro. Ou seja, os ativos são a parte positiva do balanço patrimonial.

Alguns exemplos de ativos são dinheiro em banco, bens e estoque. De forma geral, tudo o que pode ser vendido e transformado em dinheiro é considerado um ativo.

Passivo

Os passivos são o contrário dos ativos, ou seja, as obrigações financeiras de uma empresa. O passivo é a parte negativa do balanço patrimonial.

Tudo o que uma empresa precisa pagar é considerado passivo. Alguns exemplos são a  folha de pagamento, impostos e tributos, parcelas de empréstimos, dívidas com fornecedores, entre outros.

Receitas

As receitas de uma empresa são os recursos que entram por meio da venda de mercadorias ou prestação de serviços.

Custos

Os custos são os valores relativos a tudo o que é produzido pela empresa. Eles são considerados investimentos na produção de bens e serviços que estão vinculados à atividade-fim do negócio.

Alguns exemplos de custos são a compra de mercadorias para revenda, matéria-prima, embalagens, energia elétrica aplicada na produção, materiais de conservação e limpeza, salários dos trabalhadores da linha e produção, entre outras coisas.

É importante lembrar que custo não é a mesma coisa que despesa. Continue lendo para entender a diferença!

Despesas

As despesas são gastos envolvidos no planejamento financeiro da empresa, mas que não estão diretamente ligados à produção de bens ou serviços que serão comercializados.

Geralmente, as despesas estão ligadas às funções administrativas, marketing e área comercial. Alguns exemplos de despesas são o aluguel, materiais de escritório, folha de pagamento de funcionários (como vendedores, por exemplo), investimento em divulgação, conta de internet, entre outros.

Contas patrimoniais

As contas de uma empresa se dividem em dois tipos: patrimoniais e de resultado. Vamos começar falando sobre as contas patrimoniais, que se referem ao ativo, passivo e patrimônio líquido da empresa.

É importante lembrar que, na contabilidade, a palavra conta nem sempre indica a existência de um cálculo. As contas, muitas vezes, são uma forma de registro de informações da empresa.

Nesse sentido, as contas patrimoniais são registros de bens e direitos, saídas de valores e recursos aplicados pelos sócios.

Contas de resultado

Já as contas de resultado são registros que indicam as receitas e despesas de uma empresa, demonstrando se houve lucro líquido em um determinado período.

Demonstrações contábeis: conte com especialistas e tenha mais tranquilidade

Como você já sabe, para emitir algumas declarações contábeis é imprescindível ter o auxílio de um contador, pois é necessário que esse profissional assine os documentos. Em outros casos, é possível fazer a declaração sozinho. Mesmo nesses casos, nós indicamos contar com a ajuda de especialistas, para evitar erros e até multas, que chegam como consequência de informações esquecidas ou declaradas de maneira errada.

A Agilize é a primeira empresa de contabilidade online do Brasil, nós somos apaixonados em ajudar a comunidade empreendedora a conquistar seus objetivos e um dos nossos serviços é o auxílio na confecção das demonstrações contábeis, sejam elas obrigatórias ou usadas apenas para fins gerenciais.

O nosso time conta com especialistas em diversas áreas, com experiência com empresas de vários segmentos. Seja lá qual for o seu negócio, nós podemos ajudar! Assim, você não precisa se preocupar em entender quais são as suas obrigações e quando deve entregar cada uma – o nosso time faz isso por você!

Além disso, nós cuidamos de toda a organização de informações e orientamos você sobre os passos que precisam, necessariamente, ser dados pelo responsável pela empresa.

Já imaginou a tranquilidade que é empreender sabendo que tem uma equipe de confiança cuidando da sua contabilidade?

Se você tem uma empresa e quer saber quais demonstrações contábeis são obrigatórias e como preparar cada uma delas, entre em contato conosco! Além desse serviço, nós podemos cuidar também de toda a contabilidade da sua empresa, garantindo que você não deixe de cumprir nenhuma das suas obrigações fiscais. 

Preencha o formulário abaixo para receber o seu orçamento! Nós vamos enviar uma proposta personalizada, explicando todos os passos, e estamos disponíveis para tirar quaisquer dúvidas que você tenha sobre o nosso trabalho!